quinta-feira, abril 14, 2005

As Motos

A experiência foi-nos ensinando que não é a moto que faz a viagem, somos nós. Se no inicio achávamos essencial ter uma moto super equipada para fazer este tipo de viagens, não demorámos muito a perceber que qualquer uma serve... aliás quanto mais simples melhor! Uma BMW R1100GS de 1999 foi a primeira escolhida. Moto fiável e robusta aguentou bem as rotas exigentes onde foi posta à prova. Equipada até aos dentes com equipamento raro na altura, como as malas de alumínio, o deposito de 43 litros de capacidade e uma suspensão Ohlins montada num quadro reforçado. Depois de 5 anos de “convívio”, moto e piloto ganharam uma grande simbiose, algo que ajudou muito na superação de alguns dos obstáculos no projecto Até ao fim do mundo. Tantos anos de intimidade levaram-me a baptiza-la de Inga, a minha namorada Alemã gordinha. Hoje tem 300.000 quilómetros e continua a fazer parte da família. Em 2007 o desafio Amazónia requeria algo mais leve, mais simples, mais descartavel. Entra em cena a Honda Dominator 650, uma simples e barata monocilindrica que poderia ser facilmente abandonada em qualquer lado sem grandes lamentos. Depois de 8 anos a rodar com uma moto com cardã, com injecção e toda sofisticada, chegou-me às mãos uma Honda de 1999 do mais simples que há em termos de mecânica. Senti necessidade de me voltar a familiarizar com esta simplicidade e passei com ela grandes serões na garagem. Serões que coincidiam com uma tal série infantil que dava na televisão na altura, aliás era precisamente esse programa que marcava o fim do turno do sofá e o inicio do turno da garagem. Alguns meses e muitas horas de trabalho depois nasce a Floribela, a "turbinada". Equipada a rigor com vários implantes, tal e qual como a protagonista da tal série infantil. A Floribela resistiu a todas as provações da travessia da Amazónia e vive hoje em dia na casa de um amigo em Coimbra. Em 2008, terminado o projecto Até ao fim do Mundo, chega à família uma nova moto. Esguia, bela, potente e provocantemente lasciva... Heidi, a amante! :) Uma maquina infernal que me lembra que já não tenho pedalada para tanta acção. Leva-me de volta à Guiné em 2009, mas é nos trilhos do nosso Portugal e nas formações de condução do Adventure Training Centre da MotoXplorers que ganha o seu espaço vitalício na família. Hoje é um daqueles fetiches que atingem os homens de meia idade, não serve para grande coisa, mas dá um prazer de condução incomensurável... Em 2010 no México encanto-me com a simplicidade de uma Suzuki DR650. Equipada apenas com um deposito maior, um banco um pouco mais confortável e uns alfoges de lona, leva-me por toda a América Central até à Colômbia sem absolutamente nenhum problema. Baptizo-a de Maria, um nome simples para uma moto simples. Era para ser a Raimunda, uma velha e básica Kawasaki KLR 650 feia como uma noite de trovões (daí o nome, Raimunda, feia de cara, horrível de bunda) que cheguei a comprar ao mesmo dono da Maria, mas quis o destino e os serviços de correios mexicanos que a corrente de distribuição não chega-se a tempo.. Como dizem os meus amigos brasileiros, se não tem tu vai tu mesmo e foi com a Maria que partilhei as belezas da América Central. A Maria vive hoje na Venezuela, ficou hospedada na casa de um amigo e aguarda o meu regresso para mais uma vadiagem. O que importa reter é que qualquer moto é boa e serve para qualquer viagem. O que é verdadeiramente importante é o entrosamento entre piloto e moto. É importante conhece-la, saber os seus calcanhares de Aquiles, o que pode dar raia, o que se gasta mais rapidamente, quais são as suas manhas.... numa palavra, entende-la! É claro que uma moto simples e leve facilita . Facilita na hora de levanta-la do chão, quando temos de a enfiar numa canoa ou num camião, na hora de a deitar no chão para reparar um furo, mas facilita principalmente porque é muito mais fácil encontrar peças para a reparar. Acreditem que se estiverem no meio de um país como o Mali por exemplo, é muito mais fácil encontrar um carburador usado do que um injector electrónico alemão... Em termos de bagagem a lógica deve ser a mesma, simplificar. Um par de malas ou alforges laterais mantém o peso e o centro de gravidade baixo, facilitando a condução. Um saco impermeável de 30 ou 40 litros amarrado no lugar da top case não aumenta demasiado o centro de gravidade e não compromete os movimentos do piloto, permitindo que este mude de posição e descanse certas partes do corpo em etapas maiores.

A moto não representa qualquer limitação na realização da viagem. Somos nós que fazemos a viagem, ela só serve para nos levar...

3 comentários:

  1. Olá Grande Carlos!

    Gostei muito de ler este texto mecanico-feminino sobre as tuas escolhas. Parabéns e aqui fica um abraço de obrigado por escreves estes textos divertidos para nosso deleite!

    Quando é que me fazes aqui uma visita em Castro Verde? A partir de agora estás formalmente convidado para almoçar (ou jantar) comigo aqui. É uma pequena contrapartida pelos teus belos textos e pelo entusiasmo que partilhas!

    Até breve e aparece.

    Rui Tremoceiro.
    Castro Verde - Alentejo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Abraço amigo Rui, eu também te tenho que fazer uma visita para matar saudades da infância Grande abraço, Paulo neto

      Eliminar
  2. Azevedo, estou sempre aprendendo com os Profissionais como vc !

    Esse casamento piloto/maquina é algo muito bacana no motociclismo, diversas vezes me peguei conversando sozinho no meio do nada com minhas motocicletas ! cada uma com um carinho especial. A vontade que dá é de manter todas prontas para viajar ...

    Deixa-las em diversos lugares a espera de uma nova viagem ! Chegar como se tivesse matando a saudade de uma velha namorada !

    Parabens por manter esse historico e lições de vida com suas motocicletas.. inspiração para eu montar o meu topico "Antigas Paixões" rs... contando a historia das minhas motos .... ai vai a primeira delas:

    http://www.pisteiros.com.br/profile/MotoXT660RDalben

    FOX

    ResponderEliminar