sexta-feira, dezembro 03, 2010

Preso no Panamá

As viagens têm sempre momentos assim, alturas em que tudo parece se conjugar para nos contrariar. À 3 dias que estou no Panamá a receber más noticias. Primeiro o barco que tinha marcado saiu 2 dias antes do previsto. Depois o segundo barco que consegui partiu o motor e não fará a viagem. Mas não termina por aqui, a minha tentativa de chegar a Yaviza, a vila mais perto do Darien Gap foi rapidamente interrompida por barreiras policiais que pura e simplesmente não deixam gringos descer mais. Perante tal cenário procurei informações no aeroporto para enviar a Maria para Bogotá na Colombia. 905 USD para ela e 400USD para mim, ugh... Conheci 2 mexicanos com a mesma dor de estômago que eu. O Marcos e o Aldo estão a descer até ao Brasil em duas 125cc e mantêm um site fantástico. www.volandoenmoto.com/ São excelente rapazes com uma atitude fantástica. Mais tarde juntam-se mais 2 mexicanos que viajam juntos numa Yamaha 1600cc e juntamos esforços, trocamos contactos e combinamos dar noticias de cada uma das soluções que formos encontrando. O voo está fora de questão, mesmo sendo estupidamente caro. Segundo as noticias que chegam da Colômbia o país está inundado e tem muitas estradas e pontes destruídas o que tornará impossível chegar a Caracas. Estou por isso encurralado no Panamá e sem saída previsível. Perante tantas adversidades decidi ir a um barbeiro local, rapar cabelo, barba e definir uma estratégia de fuga. Gosto de cortar o cabelo em viagem, os barbeiro e os bairros onde se situam são normalmente pouco turísticos e bastante representativos do dia a dia de um determinado país. De cabeça fresca e ideias novas saio da cidade do Panamá e dirijo-me à costa caribenha à procura de uma dica que recebi. O Panamá é o país dos boatos, toda a gente conhece alguém que sabe como é, onde se consegue e qual a melhor maneira. Consegui alguns números de telefone de capitães de barcos em Puerto Belo e é para lá que vou. Vou ficar no hostal do Captain Jack um local conhecido por reunir muitos dos capitães que navegam nestas águas e que me podem levar para Cartagena das Indias na Colombia. Puerto Belo é uma vila deliciosa, vive-se um ambiente tipicamente caribenho na baia que já foi o porto mais importante das Indias Espanholas. Agora quem o governa são os modernos piratas das caraíbas, capitães reformados de todas as nacionalidades que não deixam nada a desejar aos antigos piratas, nem nas mascotes que trazem ao ombro. Por aqui já passou Colombo, Drake e o temível pirata Henry Morgan. Este era o ponto de transito para todas as riquezas do novo mundo, do Peru ao Mar da Prata era aqui que se juntava todas as mercadorias para a travessia do Atlântico até Espanha. O forte Espanhol construído para defender este entreposto dos piratas ainda está de pé e mantem a sua imponência. A antiga aduana foi restaurada e é agora um mini museu que mostra artefactos das batalhas que tiveram lugar nesta baía. Agora a única batalha é a minha, a de convencer um capitão a me levar até Cartagena das Indias e daí conseguir chegar a Caracas.

3 comentários:

  1. O que se lê por aí é precisamente isso: controlos policiais que impedem qualquer tentativa de chegar a Yaviza. Belo relato! :) Esses imprevistos são a pimentinha das viagens! Disfruta o local antes de te pirares para a Colombia. Abraço!!

    Zé Paulo.

    ResponderEliminar
  2. Força Carlos! São essas desavenças com a sorte que criam as memórias. Boas ou más só depende da perspectiva! Grande Abraço!

    ResponderEliminar
  3. Força aí Carlos, são essas adversidades que ficam para contares aos netos....

    ResponderEliminar