sábado, dezembro 03, 2011

A gestão do imprevisto.

O imprevisto está sempre presente neste tipo de vadiagens e nada melhor que acontecer tudo de seguida para abrirmos a pestana logo desde o inicio. Um telefonema bem cedo fez cair por terra a visita ao Leshoto, o Phillip ligou para um amigo dele lá no cimo que nos diz que provavelmente demorarei 3 dias a fazer o que tinha previsto fazer em 1. Dias que não tenho. Sem problema, sigo para norte contornando a chuva. Sem grandes paragens deixo as montanhas que envolvem Durban e sigo por um gigantesco planalto a fazer lembra o Oeste Americano. A grandiosidade é tal que ando várias horas sem mudar grande coisa, enormes fazendas bem tratadas interrompidas aqui e ali com estas montanhas escarpadas no meio. Para quem estava à espera de ver aquela África confesso que fiquei um bocado desiludido. Tudo demasiado organizado, tudo demasiado europeu, só a comida é que em vez de europeia é americana.

Chego com o pôr do sol a Lichtenburg já bem perto da fronteira com o Botswana. Está a decorrer o Diamonds Festival e há uma feira popular montada na praça principal onde finalmente consegui provar comida local. 50 Rands deram para 3 sacos de vários tipos de carne seca de tudo o que é animal africano... é bom e prático, fui roendo enquanto me misturava na feira. Passar despercebido por aqui é relativamente fácil, ele há loiros de olho azul, indianos, negros retintos e outros nem tanto, árabes com burka, árabes sem burka e claro um careca português cansado, afinal de contas acabou de fazer 800kms numa moto magrela. A manhã acorda com um sol violento, são 8 da manha e já estou a suar. Arranco rápido depois de calcular que tinha uns 5 lit. no tanque e 80kms até à próxima bomba. Calculo errado!! A bomba fica mesmo a 80km mas os 5 litros só aguentaram 50 kms.

Obviamente que xinguei o Nicolas com todos os nomes que me consegui lembrar em portugues de Portugal e do Brasil. Enche a moto com viadagens de escape de competição e kit dynojet e agora com tanque maior deve ter a mesma autonomia que com o pequeno. Seu capeludo teimoso, tá vendo no que deu tua teimosia!!! Agora se arruma com 250kms de autonomia! Nada como duas horas ao sol para acalmar, xingar a minha estupidez e acalmar o ritmo da viagem. Assim que entrosei o estado de "que se lixe, tenho tempo" comecei finalmente a raciocinar. Saquei do tubo do respiro e soprei a ver se pegava... Pegou e fez ainda 8kms até ao cruzamento com uma aldeia. Poucos minutos estava eu e a moto num reboque a caminho da bomba de gasolina mais próxima. Finalmente começa-se a sentir Africa, acabaram as mega fazendas e as ruas das vilas já são animadas com aquela musica a bombar e a simplicidade tipica de Africa... assim sim! A fronteira foi rápida e simples, carimba passaporte, escreve aqui a matricula da moto e boa viagem! O escape para alem de me já ter ensurdecido afugenta tudo o que é animal das redondezas, logo na entrada do Botswana um grupo de macacos grandes na beira da estrada sai a xingar o Nicolas... só pararam longe, nem deu para fotografar... Agora sim, estou a entrar em África, cidades confusas, estradas ruins e muito som e cor para qualquer canto que se olhe... ah e por falar em olhar, o Kalahari está à vista!

2 comentários:

  1. Você deve ter saído, "rancando fogo do motor" como diz o Nicolas, depois se queixa do consumo :-)))

    Grande abraço,
    Joe

    ResponderEliminar
  2. EI SEI CABEÇA SECA, SE TA RECLAMANDO MUITO DA LADY, JAJA VOU ATE AI E TE TOMO ELA!!!, E SO VC ANDAR SEM RANCA FOOOOGO DO MOTOR QUE VAI GASTAR MENOS, MAS FALA AI ELA DEVE DE TAR UM RAAAIO PA ANDAR!!! APROVEITA A VIAGEM QUE A AFRICA E O LUGAR PRA NOIS!!! ISSO E SO O COMEÇO!!!
    BOA VIAGEM SIGA COM DEUS
    NICOLAS

    ResponderEliminar