sexta-feira, novembro 26, 2010

Ele há dias assim...

Bons, muito bons!! Acordei cedo como é habitual, optei por apanhar um tuc-tuc até ao complexo arqueológico de Copan, é mais rápido e assim sou provavelmente o primeiro a chegar. A minha artimanha resultou, não há ninguém, nem guarda. A floresta envolvente recebe-me com os seus sons característicos de despertar, incluindo as 6 escandalosas araras que estão nas arvores a caminho da praça central. As primeiras esculturas, ainda douradas pelo sol nascido à pouco, completam o quadro de uma memoria que vai ficar na minha cabeça para sempre. Respira-se um a tranquilidade soberba, a energia do lugar é palpável e eu sozinho, com todas as ruínas, esculturas e pirâmides só para mim. Enquanto contemplo o lugar do cimo da acrópole a neblina desaparece e chegam os primeiros turistas. Mesmo assim poucos, muito poucos. Agarro-me a um grupo para ouvir o guia, cedo perco a paciência e procuro outros locais para investigar. Os tuneis são um bilhete à parte e eu não o quis comprar, mas a guarda está a olhar para o outro lado e como bom tuga vupt já lá estou dentro. Ela viu-me e vem-me buscar, mas entre paredes labiríntico sofreu um bocadinho para me encontrar. Volto aos baixos relevos e às esculturas que enchem estas paredes, sem duvida as mais impressionantes de todos os templos Mayas que já vi. Volto para o hostal, desta vez a pé, o dia começou bem mas melhora ainda mais. Consigo finalmente falar por telefone com Israel, um velejador espanhol que costuma navegar pelos mares do Panamá e Colombia. Adiantada que foi a data da partida do barco que tinha previsto, fiquei sem alternativas para atravessar o Darien Gap. Agora o Israel diz-me que as nossas datas coincidem e concorda por telefone em transportar a Maria apesar do seu veleiro ser pequeno e novo. Confesso que este era um assunto que me preocupava e foi uma grande satisfação saber estas boas noticias. Parti do hostal super animado e bem disposto, até o dia ajudou, estão umas nuvens altas e um fresco agradável, perfeito para andar de moto. As estradas é que poderiam ser melhores, claramente a rede viária das Honduras é a pior que apanhei até agora. Derrocadas, pedaços de estrada que desapareceram e buracos gigantes, desejosos de rebentar um pneu e empenar uma jante. Chego à fronteira com El Salvador, vou preocupado mas com confiança, ultrapassar cada fronteira com uma moto que não está em meu nome é sempre uma lotaria. Puro engano, os salvadorenhos são ainda mais simpáticos que os hondurenhos e quando saí da fronteira metade dos computadores da aduana tinham um website da motoxplorers nos ecrãs. Sou recebido por estradas melhores e por um horizonte cheio de cones de vulcões. Desço das montanhas a caminho do meu poiso do dia, Suchitoto, uma vila colonial na beira de um lago no coração de El Salvador. Em vilas e cidades a busca de um hostal começa sempre pela praça principal. Não encontrei nenhum hostal mas conheci o Chris e a Mila, um casal de sul africanos backpackers que há um ano viajam pelo mundo. Recomendam-me um hostal e acabamos a jantar juntos. A Mila é escritora e mantém um excelente blog em http://idreamofdesign.wordpress.com/ Depois do jantar saímos juntos para o único bar da vila onde conhecemos a Stacy e o Tommy, norte americanos de férias numa rota só dentro de El Salvador. A vila é pequena e deliciosa, dizem os entendidos que Antigua era assim antes de ser invadida pelo turismo de massas. Um pequeno pueblo colonial, com calçada de pedra e edifícios coloridos, aqui encaixados numa encosta tropical voltada para um lago fantástico. De todas as casas de vê o lago rodeado por montanhas, no ar uma calma incrível, toda a gente se senta nas sombras e contempla a praça, assim passam horas, simplesmente contemplando. Eu caminho desde cedo pela vila e chega a hora de voltar à estrada, sigo agora para sul de volta para as Honduras. Passo muito próximo do Pacifico mas li que as praias de El Salvador não são muito interessantes, por isso vou procurar as das Honduras que parecem ser bem melhores.

2 comentários:

  1. Relato delicioso! A gente sente aqui os aromas da aventura. :) Boa viagem!

    Zé Paulo.

    ResponderEliminar
  2. Miguel Casimiro11:30 da tarde

    e eu a bulir... diverte-te vadio!

    ResponderEliminar